Falar de Dry Martini parece chover no molhado……mas não é!

Quantas vezes já não ouvimos que se você estiver perdido em uma floresta é só sentar e começar a preparar um Dry Martini que alguém aparecerá para dar palpites no modo como está fazendo.

Então, vamos combinar, o que importa em um Dry Martini é que você vai usar três ingredientes, gin, vermouth seco e azeitonas, numa taça martini. Agora vamos falar de alguns detalhes:

Dê preferência aos gins mais secos, basicamente os tipos London Dry, mas na dúvida, vai ter que provar para aprender.

Vermouths basicamente são vinhos branco com adição de algumas ervas, como a losna do absinto e outras, álcool e açúcar.

Aprenda a guardar seu vermute de maneira correta.

Diferentemente do que se faz hoje, um bom Dry Martini antigamente era feito com um terço de vermouth e dois terços de gin. E como os tempos mudaram!

E a azeitona não fica para trás. Azeitona verde ok?! Porquê, não sei, juro que não sei e não vou ficar te enrolando.

Mas tenta provar 2 Dry Martini, um com azeitona verde sem caroço e outro com azeitona preta. Acho que o segundo vai te lembrar um pouco de pizza, não?! Ah, azeitona recheada, nem pensar! Se você perceber bem, muitos dos melhores bares do planeta já começaram a mexer novamente na sua receita de Dry Martini ideal.

Acompanhando a tendência de estagnação do mercado de vodkas, do interesse do consumidor em tomar drinques com menor graduação alcoólica, podemos dizer que estamos começando a ver uma nova releitura do Dry Martini, algo parecido com o Marquerite Cocktail que você pode ler aqui.

Ou seja, experimente seu Dry Martini em diferentes proporções de gin versus vermute, por exemplo 2:1 ou até 1:1; o conhecido Dry 50/50.

dry martiniVamos falar das variações?!

Porque não tirar a azeitona que complica tanto e colocar uma cebolinha em conserva, daquelas branquinhas deliciosas que são mais ácidas? Eis que só nessa troca temos um novo drinque, o Gibson. Não gostou?! Devolve a azeitona pro lugar dela e acrescente 10 ml de água de azeitona junto com o gin no mixing glass.

A receita vai ficar mais salgadinha, e com um sabor mais acentuado da azeitona. Qual o nome do drink?! Dirty Martini. Seu problema é com o gin então?! Troque o gin pela vodka e pode sair chamando de Vodka Martini.

Agora, o negócio do James Bond é mesmo caçar russos, porque essa história de “Shaken, Not Stirred” não tá com nada mesmo.

Quando ele pede para bater, e não misturar o seu Vodka Martini, ele faz com que o gelo que está na coqueteleira se quebre mais facilmente, criando uma bebida muito mais aguada  e turva(o que não tem nada de seco certo).

E dizem que na verdade essa era mais uma missão do agente secreto, para promover o consumo de vodka nos EUA e não gerar uma rejeição maior por conta da troca do destilado. Sai pra lá, Bond. Dá uma olhada nesse vídeo incrível da trajetória do James Bond pelo cinema americano.

PS: As medidas os produtos e métodos são de responsabilidade do Mixology News.
Sugerimos à vocês a receita da forma que tomamos na nossa casa, entre amigos que é o que importa.

Receba nossa newsletter com os melhores artigos do universo da mixologia.

Obrigado por se inscrever!