Prove que é um ser humano: 6   +   6   =  

Grumixama, típica da Mata Atlântica, combina a jabuticaba com a cereja com um toque brasileiro

As frutas  da família das Myrtaceae já são conhecidas por aqui ,porém menos conhecida que suas primas, a grumixama corre sério risco de extinção, assim como outras frutas nativas dos diversos biomas desse rico Brasil.

Hoje é muito raro encontrar um pé de grumixama, ainda mais ter a sorte de que esse encontro ocorrera entre os meses de outubro a fevereiro, tempo em que seus frutos e flores aparecem com mais volume.

Procurei por grumixama muitas vezes na rede agroecológica de Ubatuba, local onde moro e que se reúnem os principais produtores da região, mas apesar de se encontrar algum pés pela cidade, o cultivo não é muito comum, e quando se tem, as pessoas compram muito rápido ou o próprio produtor as usa para produzir geleias e polpas.

Certo dia por acaso, vi um dos funcionários do condomínio de Itamambuca desfrutando do seu horário de almoço sob a sombra de uma árvore comendo “grumixama”. Aproveitei para encostar ali do lado dele para dividir desse pezinho, que todo o início do verão me renderá alguns drinques e algumas vitaminas após um dia de praia.

A grumixama tem um sabor um pouco mais adocicado que as outras frutas de sua família, devido ao sabor de sua polpa ser mais suculenta com menos acidez e a adstringência encontrada na casca é sutil. Perfeita para elaboração de licores, xaropes, infusões e aonde mais sua mente poder chegar.

Porém o suco, polpa e outros preparos em que a fruta é amassada, misturando sua polpa com a casca ela adquire uma coloração menos intensa, já que sua polpa amarelada e suculenta compõem a maior parte do fruto.

Nesse caso estamos falando da mais popular das grumixamas, a roxa escura,de uma cor linda quase preta,porém assim como a pitanga,podemos encontrar algumas variações de cores como amarelas e vermelhas.

Outra parte muito interessante dessa espécie são suas flores, assim como as flores de pitanga, elas são bem aromáticas e podem ser consumidas tanto em saladas e pratos como no preparo de licores, infusões e xaropes. Porém seus sabores e aromas são muito delicados e deve se ter cuidado para utilizá-las e continuar mantendo seu sabor fresco e vivo.

Seu formato lembra a mistura de cereja com jabuticaba, principalmente quando se consegue colher a fruta com seu talo, assim como são vendidas algumas cerejas, quando se consegue obter a grumixama dessa forma, é perfeita para decoração e o sucesso está garantido.

A grumixameira é uma árvore de porte médio que é muito usada na carpintaria. Além da carpintaria, os principais motivos pelo desaparecimento das árvores adultas, são: a expansão das cidades, o baixo consumo de frutas nativas e utilização de áreas de mata nativa para agricultura e pecuária.

Como algumas espécies dessa fruta podem ser criadas em vasos, como a grumixama anã, é uma boa árvore de se ter em casa, pois os frutos atraem aves e garantem esse bela fruta no seu redor.  Que tal um daiquiri de grumixama pra curtir com amigos e familiares.

O Sitio do Bello vem fazendo um trabalho desde 1999, unindo produtores e acreditando no valor que as frutas nativas de diversas regiões do Brasil tem. Lá você pode encontrar  polpas de diversas frutas,geleias, melados, sorbets e até mesmo mudas. O sitio recebe grupos e  pessoas que queiram conhecer mais sobre frutas nativas, já que lá se encontram mais de 50 espécies de frutas nas mais de 6 mil árvores espalhadas pelo sítio. No site deles você pode encontrar todos esses produtos, atividades e ainda uma biblioteca de frutas nativas.

No sertão do Ubatumirim em Ubatuba, muitos produtores vem adotando esse iniciativa de produzir frutas e especiarias nativas como jatobá, cambucá, juçara e pacová, unindo agrofloresta, valorização do ingrediente local e da cultura local.
Mas como esse papo dá muito pano pra manga eu vou deixar para falar sobre Ubatumirim e seus sabores em uma outra ocasião, apresentando outra maravilha da nossa Mata Atlântica.

APRENDA A RECEITA

Bubuca

50 ml de licor de grumixama
2 dashes de bitter de laranja
1 dash de Angostura bitter
75 ml de água tônica

Em um copo longo completo de gelo, adicione o licor ,os bitters e mexa bem.
Complete o copo com mais gelo ,adicione a tônica e mexa sutilmente.

Decore com uma casca de laranja bahia e se tiver a sorte de ter uma grumixama fresca em suas mãos, não hesite  em usar.

Aprenda a preparar o licor de grumixama

300 g de grumixama seca
300 g de grumixama fresca
600 g de açúcar refinado
600 ml de cachaça branca

Em um pote de vidro coloque a grumixama, açúcar e a cachaça.
Evite de amassar pois a grumixama é uma fruta sensível e sua cor esta presente em sua casca.
Deixei descansar por 1 mês, mexa suavemente uma vez por dia até que o açúcar se dissolva.
Após um mês coe bem com o auxilio de uma peneira fina ou um chinois.
Engarrafe, etiquete por 6 meses de validade e mantenha em local refrigerado.

Receba nossa newsletter com os melhores artigos do universo da mixologia.

Obrigado por se inscrever!